Publicado em 03 de Dezembro de 2018

Em balanço pós-eleições, PT confirma Haddad como nova liderança e organiza militância

Por Ana Krüger

O Partido dos Trabalhadores (PT) divulgou uma resolução com o balanço eleitoral feito pela direção nacional da legenda em encontro em Brasília na última sexta-feira (30) e sábado (1). O documento tem oito páginas e, além de comentar o resultado das urnas, faz uma análise do cenário político-econômico do país.

O documento oficializa o nome do candidato petista ao Planalto derrotado em outubro, Fernando Haddad, como a nova liderança nacional da sigla.

“Defendeu o legado do PT, ao mesmo tempo em que simbolizou aspectos de renovação política e social de que o PT é capaz, logrando conjuntamente com a militância democrática, da esquerda e do partido chegar ao final do segundo turno com 47 milhões de votos”, diz o texto.

Haddad não estava na reunião por estar nos Estados Unidos onde participou do lançamento de uma frente internacional progressista. O movimento inclui membros da esquerda de vários países, é liderada pelo senador democrata norte-americano Bernie Sanders, e quer combater a onda de conservadorismo registrada em vários países.

Porém, grande parte do balanço cita críticas do PT à condenação, prisão e declaração de inelegibilidade do ex-presidente Lula. A legenda diz que “a verdadeira razão para a condenação injusta de Lula e sua prisão ilegal foi essa: impedi-lo de voltar à Presidência da República”.

A sigla diz que “o golpe” começou com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e os ataques a democracia continuam. Segundo o PT, não é um momento normal pós-eleições e que a confirmação do ex-juiz federal Sérgio Moro como ministro do presidente eleito Jair Bolsonaro, por exemplo, tem como objetivo “a destruição e criminalização do PT, da esquerda e dos movimentos sociais, num ritmo mais acelerado do que antes das eleições”.

União e expansão

O PT traçou quais serão os nortes do partido. Serão três os chamados eixos fundamentais de atuação:

Segundo a resolução, as bancadas parlamentares devem definir oficialmente uma linha de orientação partidária para a eleição das mesas diretivas, tanto no Congresso Nacional quanto nas Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais.

Os governos estaduais e municipais, orienta o PT, devem defender o pacto federativo e focar na em “políticas transformadoras e emancipadoras em contraponto às políticas ultraliberais”.

A resolução não orienta apenas os políticos eleitos. Grande parte é dedicada ao planejamento das mobilizações de movimentos sociais, sindicatos, militantes e ativistas. O objetivo é reaproximar o partido dos eleitores e ampliar o número de filiados.

“É importante criar núcleos de luta pela democracia e pela defesa dos direitos sociais/ contra o fascismo, nas universidades, escolas, locais de moradia. Precisamos ter uma agenda de visita aos bairros, comunidades, fábricas. Por tais razões o principal desafio do Partido e de cada um de seus militantes, é o de se aproximar, dialogar e organizar a maioria do povo participando de suas lutas cotidianas”, diz o documento.

Veja tambem: