Publicado em 17 de Julho de 2017

De Brasília

"Eu nunca me senti tão incapaz de fazer uma projeção de futuro", afirma André de Paula sobre 2018

O deputado federal pernambucano e presidente do PSD no Estado, André de Paula, durante participação ao programa Direto ao Ponto, nesta sexta-feira (14), falou sobre os fatos que movimentaram o cenário político na Capital Federal durante esta semana, além disso, o parlamentar falou sobre os projetos da legenda para 2018.

Ao comentar sobre a crise política desencadeada no país e o avanço da Lava-Jato, ratificou, "É momento muito conturbado da política e o que lamento profundamente é que essa crise política, essa crise ética, ela termina por levar o país a uma crise brutal do ponto de vista econômico", disse o parlamentar.

Porém, o deputado destacou um lado positivo, "O lado positivo é que eu acho que o Brasil vai virar uma página. Nós vamos, a partir da Lava-Jato, no meu ponto de vista, dividir a história política do Brasil em dois instantes, antes da Lava-Jato e depois da Lava-Jato. Porque eu não tenho dúvidas nenhuma de que nada do que foi será, de novo, do jeito que já foi um dia", disse. 

Lula - André comentou a condenação do Juiz Sergio Moro ao ex-presidente Lula. "Recebi com muita tristeza. A gente tem uma admiração muito grande, pode até não ter convergência partidária, mas eu tenho um reconhecimento e uma admiração muito grande pela trajetória do presidente Lula. (...) E a gente vê ele hoje respondendo a seis inquéritos, completamente envolvido em corrupção, dá uma tristeza muito grande. (...) E por melhor que tenha sido como presidente, infelizmente, maculou a sua biografia, vai entrar para a história como o primeiro presidente condenado pela justiça", declarou. 

2018 - O parlamentar também foi questionado sobre 2018 e confessou ser incapaz, diante do cenário nacional, de fazer projeções seguras de futuro. "Eu nunca, em nenhuma das eleições que disputei, me senti tão incapaz de fazer uma projeção de futuro quanto agora. Porque nós vamos viver uma eleição estadual, e diferentemente da eleição municipal, a eleição estadual sofre uma influência muito forte do palanque nacional", destacou o deputado, justificando que o cenário nacional está repleto de incertezas. 

PSD - Ao falar sobre a preparação do PSD no Estado para o próximo pleito, o deputado disse, "Quando a gente tem um conjunto tão grande de incertezas, o que é que a gente faz? A gente faz o dever de casa, a gente toca o dia a dia, preparando o nosso partido, filiando companheiros que pretendem disputar as eleições para a Assembleia Legislativa, para a Câmara dos Deputados. Nós estamos dando massa, musculando o partido, para que ele esteja forte", afirmou. 

Veja tambem: